terça-feira, maio 17, 2022
20.3 C
Rio Branco
terça-feira 17 maio 2022

Alegando disparo acidental, defesa se prepara para júri de policial penal que matou esposa

POR

Juíza Luana Campos, da 1ª Vara do Tribunal do Júri, mandou que fosse marcada data do julgamento. Quenison Souza foi denunciado pelo crime de feminicídio e aguarda julgamento preso no complexo penitenciário de Rio Branco.

Após o prazo para a defesa e o Ministério Público recorrerem da decisão de pronúncia contra o policial penal Quenison Silva de Souza, acusado de matar a companheira, Erlane Cristina de Matos, de 35 anos, a juíza Luana Campos determinou que seja marcada a data e hora do júri popular.

A decisão, da 1ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Rio Branco, é do dia 15 de setembro. O advogado do policial, Maxsuel Maia, disse que a defesa não recorreu da decisão e aguarda a Justiça marcar o julgamento.

“Nós não estamos nesse processo para pleitear o absurdo, o infactível. Então, a gente sabe que, pelo próprio ensinamento constitucional, esse tipo de crime é julgado perante o tribunal do júri, então, não tinha motivos para a gente recorrer da decisão de pronúncia. A mesma pressa que a Justiça tem para esclarecer, a defesa também tem”, afirmou o advogado.

Erlane foi morta com um tiro na cabeça em março deste ano. O casal brigou depois de chegar da casa de um amigo. O sobrinho de Erlane, de 13 anos, que estava passando uma temporada com o casal, ouviu a briga e é testemunha no processo.

Na decisão, a juíza destacou que as provas comprovaram que o policial é o responsável pela morte da companheira. Além disso, a juíza acrescentou que ficou comprovado também que o crime foi praticado com motivo torpe, uma vez que o acusado teve uma crise de ciúmes e matou a mulher.

G1

COLUNISTAS

128 POSTS0 COMENTÁRIOS
38 POSTS0 COMENTÁRIOS
4 POSTS0 COMENTÁRIOS
2 POSTS0 COMENTÁRIOS
- Advertisement -spot_img