Connect with us

Rio Branco, Acre,

 

Polícia

“Justiceiras do PCC” de SP mandaram matar acreana de 20 anos em Rio Branco

Redação Folha do Acre

Publicado

on

A morte da jovem Késia Nascimento da Silva, 20 anos, teve como mandante duas mulheres do alto escalão do Primeiro Escalão do Capital (PCC) de São Paulo. O Domingo Espetacular, da Rede Record, mostrou no último domingo, 6, as escutas telefônicas gravadas pela polícia que revelam até onde pode chegar a tirania e a crueldade dos tribunais organizados por facções criminosas.

É a primeira vez que a polícia registra áudios de um desses tribunais, que foi comandado por mulheres. Em um dos áudios, a dupla Rita Rocha do Nascimento, 40 anos, mais conhecida como “Brenda” e Vera Lucia Marques, 52 anos, eram as pessoas que davam o aval de execução dentro da organização criminosa.

O delegado Marcos Antônio Manfrin, de São Paulo, responsável pela investigação, alertou que as pessoas que entram em organizações criminosas quando quer sair podem ver a situação se complicar. Ele afirmou que Vera Lúcia Marques era quem dava o “aval” para as execuções do Tribunal do Crime.

“Todo julgamento que eles iam fazer mesmo fora do Brasil passava pelo crivo dela [Vera]”, afirmou.

Vera Lúcia e Rita Rocha deram o veredito para a execução da jovem Késia Nascimento da Silva, 20 anos

Integrante do PCC, Kesia Nascimento da Silva, era conhecida entre os comparsas como “Rainha Ravelo”, ela morava em Rio Branco e tinha sumido no dia 28 de janeiro deste ano após deixar o filho pequeno em uma lanchonete da família, na Estrada da Floresta, em Rio Branco.

O delegado Martin Hessel, da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil do Acre, afirmou que duas mulheres, sendo que uma identificada como “Daniele Daleste” buscaram a jovem Késia em sua residência e levaram ela para ser julgada pela facção, mas antes a organização criminosa deixou o filho de Késia com familiares.

“Levaram ela para um local que chamam de cantoneira”, afirmou o delegado.

O #DomingoEspetacular mostra, com exclusividade, escutas telefônicas gravadas pela polícia que revelam até onde pode chegar a tirania e a crueldade dos tribunais do crime organizados por facções criminosas. É a primeira vez que a polícia registra áudios de um desses tribunais comandados por mulheres.Para assistir à reportagem na íntegra, acesse YOUTUBE.COM/DOMINGOESPETACULAR

Publicado por Domingo Espetacular em Terça-feira, 8 de setembro de 2020

A jovem teve a sua execução decretada por ligação, após ter sido vista com integrantes de uma facção rival (B13). Nas escutas, é possível constatar que a jovem Késia Nascimento da Silva implora por sua vida. “Por favor, por favor, não faz isso!”, afirmou.

Brenda, uma das cabeças do PCC, acompanha a execução escutando através de uma ligação aos comparsas aqui do Acre. Ela argumenta que a jovem cometeu o crime de traição. “Ela está sendo excluída por traição. De bate e pronto, e já é decreto!. Já é decreto”, diz Brenda.

Em outro trecho, Brenda diz para os comparsas aqui do Acre: “Arranca o pescoço, meu. Deixa ela gritar, não. Tampa a boca dela para ela não gritar”.

Investigações

Até o momento foram presas seis pessoas envolvidas na morte de Kesia no Acre. Sendo dois menores e quatro adultos. Foram presos: João Vitor da Cunha Pereira, conhecido como “Cirilo”, Amanda Lima de Moura, pelo codinome “Cacheada”, Camila Cristine de Souza, conhecida como “Riana” e Moisés Inácio da Silva, conhecido como “Sangue bom”.

Brenda e Vera foram presas e indiciadas pelo de tráfico de drogas, homicídio, formação de quadrilha e de mandante de assassinato com o agravante de sem defesa à vítima.

Segundo informações repassadas ao ac24horas, o crime bárbaro ocorreu dia 28 de Fevereiro, no bairro Taquari, às margens do Rio Acre, na capital.

AC24horas

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Facebook

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas