Connect with us

Rio Branco, Acre,

 

Política

Com apoio do governo, pequeno produtor vê um novo seringal surgir e amplia renda familiar

Avatar

Publicado

on

Quando Idílio de Carvalho chegou com a família ao Acre ainda criança e, juntos começaram a viver do trabalho no campo, se impressionou com a quantidade de seringais que existiam entre as propriedades vizinhas, até que, um por um, todos eles foram se acabando. “Não acreditavam mais na borracha. Derrubaram tudo, apostaram em gado. Foi um período triste”, conta o produtor. Por isso, agora com 55 anos, vendo sua propriedade de quatro hectares completamente tomada por seringueiras e extraindo látex pela primeira vez esse ano, após um longo trabalho com parceria do governo, Idílio celebra um novo momento de sua vida.

O pequeno produtor do Projeto de Assentamento Pedro Peixoto, localizado no município de Senador Guiomard,representa só uma das 293 famílias beneficiadas pelo Plano de Gestão da Cadeia da Borracha, ligado ao Programa de Desenvolvimento Sustentável do Acre (PDSA) e financiado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), que desde 2012 tem plantado 500 hectares de florestas de seringa para pequenos produtores em todo o estado.

Com o programa, Idílio foi beneficiado em 2014 com duas mil mudas de seringueira, em três variedades de clones. Agora, apenas seis anos depois já consegue realizar o corte de extração em 800 árvores e acredita que até o final do ano esse número passará para mil, além de ter um consórcio com graviola e cupuaçu, cujas polpas também geram renda ao proprietário. Com a gestão do governador Gladson Cameli e o PDSA administrado pela Secretaria de Produção e Agronegócio, o Programa segue beneficiando o produtor com assistência pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), além de apoio para a comercialização.

E mesmo tendo começado a colheita do látex apenas este ano, Idílio já comercializa toda a produção. A venda para a Cooperativa Central de Comercialização Extrativista do Acre (Cooperacre) segue garantida e vai parar na produção de Granulado Escuro Brasileiro (GEB). Ele recebe R$ 4,50 por quilo, além do subsídio para a borracha, já aprovado pelo governo do Estado e que ehtrará em breve na conta.

“Eu tô muito contente. Contente mesmo. Isso tá me dando uma rendinha boa, pra gente se manter um pouquinho e a tendência é só melhorar, né? Porque daqui dois anos já vamos estar cortando todas, aí a renda vai dar bem melhor. O que eu tô tirando aqui hoje tá dando pra pagar a faculdade da minha filha. Eu tenho sete filhos e dois netos. Um dos filhos ainda é de menor. Tudo eu ajudo. Foi um ganho ter essa floresta. E eu penso futuramente plantar ainda mais”, conta o orgulhoso produtor que vive principalmente de construir cercas e preparar campo para plantio.

Edílio e outras famílias beneficiadas da região ainda fizeram um acordo para que dois produtores fossem os responsáveis pela colheita do látex, dividindo os ganhos com os proprietários e gerando renda para quem está de fora.

Assistência segue com força

Em todo o Acre, até 2021 o PDSA tem programado investimentos de quase R$ 18 milhões, beneficiando mais de 6 mil famílias produtoras e associadas a grupos organizados. O Programa foi desenhado para incentivar projetos nas cadeias da castanha, borracha, fruticultura, pecuária leiteira e suinocultura.

A maior parte dos recursos do PDSA para os próximos meses estará voltada para a assistência técnica rural, por meio da contratação de uma empresa terceirizada e o trabalho conjunto com os técnicos da Sepa justamente para atender o máximo de famílias possível, entre aquelas que já foram beneficiadas e as do entorno dessas, para que também sejam contempladas com melhoria da qualidade de vida e trabalho.

Segundo a coordenadora do PDSA, Eneide Taumaturgo: “O BID prorrogou o PDSA por mais um ano, indo até 17 de novembro de 2021, então fomentando os planos de gestão dessas cadeias e ainda os de associações. Iremos construir sete casas de processamento de açaí em sete aldeias do povo Yawanawa, de Tarauacá, além da aquisição de insumos para a construção de viveiros para o povo Puyanawa, no município de Mâncio Lima”.

Ainda está em estudo a implantação de uma terceira fase do PDSA ou simplesmente um novo programa pelo governo do Estado.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Facebook

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas