Connect with us

Rio Branco, Acre,

 

Polícia

Instituições em defesa da criança pedem responsabilização de servidora do PS que ironizou estupro

Redação Folha do Acre

Publicado

on

Cedca, Comitê de Enfrentamento à Violência Sexual contra Criança e Adolescente e o CAV pediram a responsabilização Noeli Andrade. Garota do Espírito Santo teve gravidez interrompida após autorização judicial.

O comentário polêmico da servidora do Pronto-Socorro de Rio Branco, Noeli Juncundo Andrade, sobre a menina do Espírito Santo de 10 anos, que ficou grávida após ser estuprada pelo tio, ganhou um novo capítulo.

O Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente (Cedca) e o Comitê de Enfrentamento à Violência Sexual contra Criança e Adolescente (CEEVSCA) pediram, em nota, que a funcionária seja responsabilizada na área administrativa, civil e criminal.

No documento, os órgãos destacam que o comentário da servidora pública é ‘inaceitável, reprovável e antijurídico’. A nota ainda acrescenta que ‘não bastasse o fato de a criança ter sido vítima de violência sexual, onde o autor supostamente é um membro da família (tio), trazendo-lhe danos irreparáveis nos aspectos físicos, psíquicos e moral, a servidora utilizou uma frase deplorável para comentar o caso’.

O Centro de Atendimento à Vítima (CAV) do Ministério Público do Acre (MP-AC) também se manifestou sobre o caso e solicitou que a Sesacre instaure processo administrativo disciplinar para investigar a conduta de Noeli Andrade.

“O Centro de Apoio Operacional de Defesa da Criança e Adolescente, Educação e Execução de Medidas Socioeducativas já enviou um ofício à Sesacre solicitando informações sobre o vínculo funcional da internauta com o órgão estadual”, frisou a nota do MP-AC.

Comentário

O comentário de Noeli foi feito em uma postagem que falava sobre o interrupção do aborto, na segunda-feira (17), em Pernambuco, após autorização judicial. O posicionamento da servidora gerou revolta na web.

“Foi tão estupro que ela gozou durante 4 anos, só parou de gozar pra assassinar um inocente que ela mesmo gerou”, diz parte da postagem.

Com a repercussão negativa, a Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) divulgou uma nota afirmando que apura a denúncia sobre ‘manifestação indecorosa da servidora nas redes sociais’.

“A Sesacre ressalta que comentários publicados em páginas pessoais não refletem o posicionamento da instituição, e repudia todo e qualquer ato de agressão contra a dignidade humana. As denúncias sobre o caso estão sendo recebidas pela ouvidoria do PS e serão devidamente apuradas, sendo sujeitas a medidas administrativas”, garantiu.

Ao G1, na sexta (21), a servidora afirmou que recebeu ameaças após a postagem e excluiu a conta no Facebook. Religiosa, Noeli se diz uma serva de Deus que se comprometeu a lutar contra o aborto durante a vida.

Ela afirmou também que está arrependida do posicionamento e que repudia qualquer tipo de abuso sexual.

“Eu reconheço e assumo que fui infeliz na colocação, não soube me posicionar. Não estou tirando minha falha, errei, pedi perdão Deus, peço desculpas, e não foi essa a minha intenção porque sou contra qualquer tipo de abuso”, falou.

Nota de repúdio

Ainda na nota, os órgãos afirmaram que vão encaminhar um ofício com pedido de responsabilização da servidora à Sesacre e para a Promotoria de Infância e da Juventude do Ministério Público do Acre (MP-AC).

“Ressalta-se que as citadas instituições cumprem com seu papel e sempre estarão vigilantes na defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente. Por fim, reafirmamos nosso compromisso com a sociedade acreana, para juntos caminharmos no combate a toda e qualquer tipo de violência contra criança e adolescente em nosso Estado”, reafirmou.

Veja nota na íntegra:

O Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente (CEDCA) e o Comitê Estadual de Enfrentamento a Violência Sexual contra Criança e Adolescente (CEEVSCA) vêm, através desta, manifestar repúdio contra as declarações da servidora pública, Sra. Noeli Jucundo Andrade, que utilizou as redes sociais para fazer um comentário inaceitável, reprovável e antijurídico sobre o caso da criança de 10 anos violentada sexualmente, no Estado do Espírito Santo.

Como se não bastasse o fato da criança ter sido vítima de violência sexual, onde o autor supostamente é um membro da família (tio), trazendo-lhe danos irreparáveis nos aspectos físicos, psíquicos e moral, a servidora utilizou uma frase deplorável para comentar o caso “gozou por quatro anos”, ocasionando assim, ainda mais danos a essa criança.

O fato configura-se em uma ação antijurídica, pois contraria o que preconizam os Art. 17. “O direito ao respeito consiste na inviolabilidade da integridade física, psíquica e moral da criança e do adolescente, abrangendo a preservação da imagem, da identidade, da autonomia, dos valores, ideias e crenças, dos espaços e objetos pessoais” e o Art. 18.

“É dever de todos velar pela dignidade da criança e do adolescente, pondo-os a salvo de qualquer tratamento desumano, violento, aterrorizante, vexatório ou constrangedor”, ambos do Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei. 8.069/90). Especificamente sobre o Crime de estupro, o caso vem sendo conduzido pelas autoridades do Estado do Espírito Santo, onde o autor já se encontra preso.

Além do repúdio à conduta reprovável pela servidora pública estadual, o CEDCA e CEEVSCA encaminharão ofício a SESACRE, órgão no qual a servidora está lotada e à Promotoria da Infância e da Juventude de Rio Branco – MP/AC, para formalização do processo de responsabilização da servidora, na esfera administrativa, civil e criminal.

Ressalta-se que as citadas instituições cumprem com seu papel e, sempre estarão vigilantes na defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente. Por fim, reafirmamos nosso compromisso com a sociedade acreana, para juntos caminharmos no combate a toda e qualquer tipo de violência contra criança e adolescente em nosso Estado.

G1

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Facebook

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas