Connect with us

Rio Branco, Acre,

 

Acrelândia

Policiais de Acrelândia pegam Covid, moradores ficam sem prestar BO e presos são levados para outra cidade

Redação Folha do Acre

Publicado

on

Com parte do efetivo afastado por causa do coronavírus, policial denuncia que Acrelândia pode viver um colapso na segurança

A situação no pequeno município de Acrelândia pode ficar pior nos próximos dias, isso porque a cidade que já viveu colapso na saúde, em razão da crise do coronavírus, poderá vivenciar um colapso na segurança pública, devido a falta de efetivo policial para combater o crime organizado.

Segundo denúncia de policiais que preferem não se identificar, Acrelândia tem hoje um número mínimo de policiais atuando por conta do afastamento de militares e agentes da Polícia Civil por causa da Covid-19.

“Vários policiais militares e civis de Acrelândia estão afastados em razão de estarem suspeitos e/ou contaminados com a covid-19. A cidade de Acrelândia, que possui efetivo policial reduzido, vai ficar ainda mais desprotegida de hoje em diante”, disse um servidor da segurança.

Os policiais denunciam que Acrelândia conta hoje com apenas dois policiais militares atuando nas rondas policiais em toda o território da cidade. Eles dizem ainda que os registros de boletins de ocorrências estão suspensos por falta de plantonistas.

“A situação está tão delicada que apenas dois policiais militares estão trabalhando por dia. Para piorar, em caso de prisão, os presos têm de ser levados para a delegacia de Plácido de Castro, o que demanda tempo, ficando a cidade totalmente desguarnecida. Os registros de ocorrências estão suspensos por falta plantonista na delegacia”.

Vale destacar que a cidade de Acrelândia é a porta de entrada no Estado do Acre, o município faz fronteira com os Estados de Rondônia e Amazonas, também com a Bolívia, logo, o município é rota de tráfico de drogas e armas, sendo uma região dominada pelo crime organizado.

“Acrelândia também tem um vasto histórico de grandes ocorrências, como o roubo ao banco do Brasil em 2005; assassinato de um policial em 2007, situação em que o policial foi morto a golpes de facão na cabeça; furto de uma viatura da PM em 2012, situação em que o meliante na fuga atropelou uma pessoa e colidiu contra um muro; dois atentados em um único dia em 2013, situações em que houve uma tentativa de homicídio a um policial civil, que foi esfaqueado, e uma emboscada a uma guarnição da PM, situação em que os policiais foram recebidos a tiros; atentando à delegacia em 2014, situação em que atiraram na porta da frente na delegacia; uma chacina em 2016, situação em que três pessoas da mesma família foram assassinadas a tiros de pistola e espingarda calibre 12; uma tentativa de homicídio a um policial militar durante uma abordagem em 2017, situação em que o policial foi atingido de raspão por dois tiros; tentativa de chacina a uma família em 2019, situação em que a polícia prendeu várias pessoas e apreendeu várias armas, entre elas, um fuzil; atentado a um policial militar em 2019, situação em que atiraram no seu veículo; do ano passado para cá, ocorreram duas tentativas de furto a uma agência do Banco do Brasil; etc”, desabafou um dos denunciantes.

Os denunciantes afirmam ainda em seus relatos que diante de tudo isso não se sabe por que Acrelândia não recebeu novos policiais, já que Plácido de Castro recebeu 8 policiais militares do último concurso e um delegado também do último concurso.

“As força de segurança exigem apenas que o governo possa olhar melhor a situação caótica da segurança pública na região, por isso, solicitaram reforço policial”, finalizam.

A reportagem da Folha do Acre entrou em contato com a assessoria de imprensa da Polícia Militar do Acre, que afirmou que em breve divulgará nota à imprensa sobre o caso.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Facebook

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas