Connect with us

Rio Branco, Acre,

 

Cotidiano

Secretaria identifica mais de 45 crianças venezuelanas em semáforos de Rio Branco

Redação Folha do Acre

Publicado

on

Secretaria faz orientações às famílias sobre legislação brasileira e faz encaminhamentos para atendimentos em saúde ou retiradas de documentação, conforme demanda da família.

Em pouco mais de três meses, a Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos de Rio Branco (SASDH) já identificou entre 45 e 50 crianças venezuelanas em situação de vulnerabilidade social nos semáforos da cidade junto com a família pedindo dinheiro e outras ajudas financeiras.

A gerente do departamento de Proteção Social, Especial da SASDH, Silvia Aleticia, disse que o órgão atua para identificar estas situações de violação de direitos ou iminência deles para garantir prevenção e proteção social não só de crianças e adolescentes, mas das famílias.

Ela afirma que o trabalho é feito com o público em geral. Porém, desde março, com o início da pandemia do novo coronavírus, foi intensificado com os venezuelanos que têm sido maioria nas ruas de Rio Branco pedindo nos sinais.

“Já foram abordados em média entre 45 e 50 adolescentes. Só que esse processo não tem como passar número exato porque muitas vezes o estado é corredor de passagem e pessoas chegam e saem todos os dias. Essa evidência que falo é que a criança no semáforo, por exemplo, está vulnerável as mais diversas situações, como ao processo de ser aliciada, trabalho infantil, enfim, é um conjunto de situações”, conta.

A gerente diz que o trabalho é feito como forma de orientação para que eles não sejam levados para as ruas. Além disso, ela afirma que durante as ações eles identificam as demandas das famílias e fazem os devidos encaminhamentos, seja para atendimento em saúde, ou documentos, por exemplo.

“A gente tem dado uma atenção especial, haja vista, o crescente número de crianças venezuelanas sempre acompanhadas pelos pais. A gente não tem identificado crianças sozinhas. O objetivo é orientar esses pais sobre a legislação brasileira. Eles vêm de outro país, com outra cultura e, chegando em outro país, eles precisam ter as orientações devidas a cerca das leis que regem aquele país”, disse Silvia.

Silvia diz que nenhuma destas famílias estão em situação de rua e, por isso, não é feito nenhum tipo de acolhimento por parte da prefeitura. O intuito é que a família seja conscientizada sobre a legislação brasileira.

“A gente não tem nenhum venezuelano morando na rua. Eles geralmente se juntam para alugar uma casa e dividem o aluguel, ou estão na rede hoteleira da Cidade Nova, por ser um preço acessível, com uma média de R$ 40 a diária. Então estas pessoas vão para o semáforo para a questão da subsistência”, contou.

G1

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Facebook

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas