quinta-feira, outubro 21, 2021
33.3 C
Rio Branco
quinta-feira 21 outubro 2021

Técnica de enfermagem morre após atender paciente com Covid-19 em Rio Branco

POR

A técnica de enfermagem Sandra Melo da Silva, de 47 anos, morreu na manhã desta quarta-feira (20) na UTI do Instituto de Traumatologia e Ortopedia do Acre (Into-AC), em Rio Branco, após complicações causada pela Covid-19.

Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde (Sesacre) confirmou e disse que a técnica e toda a equipe da UPA da Cidade do Povo, onde ela trabalhava, fizeram os testes de PCR para Covid-19.

A medida foi tomada porque no dia 24 de abril a equipe atendeu um paciente com a doença, que morreu dois dias depois.

“Na ocasião, o exame de Sandra, assim como os dos demais profissionais, deu negativo para contaminação pelo novo coronavírus. Na madrugada da segunda-feira,18, no entanto, ela foi levada para a UPA do Segundo Distrito com baixa saturação de oxigênio, variando entre 32% e 34%. Teve de ser entubada e posteriormente foi encaminhada à UTI do Into-AC, onde faleceu”, diz a nota da Sesacre.

Falta de EPIs

Já a família da profissional, além da dor, está revoltada porque alega que faltaram equipamentos de proteção individual para a técnica de enfermagem. Segundo o filho, o serralheiro Edson José, de 25 anos, ela chegou a brigar com a responsável do setor para poder ter um jaleco.

“Ela se contaminou dentro da UPA e negaram jaleco, não quiseram dar. Disseram que os jalecos eram só para médicos”, contou.

Para ter o mínimo de proteção, já que era do grupo de risco por ter diabetes e problemas cardíacos, segundo a família, Sandra recorria à mãe, que costurava jalecos para que ela pudesse trabalhar.

“Minha vó que fazia os jalecos para que ela pudesse trabalhar. Na UPA eles não davam. Inclusive, ela chegou a discutir com a responsável do setor na UPA porque não tinha os equipamentos de proteção”, relembra.

‘Quero lembrar dela alegre’

Há mais de seis anos, Sandra trabalhava na Saúde. A família diz que foi a realização de um sonho poder se dedicar a ajudar a salvar vidas. Ao escolher a foto da mãe, o filho tem todo um cuidado de que a imagem mostre o que a mãe foi em vida.

Mãe de quatro filhos e avó de quatro netos, Edson lembra que a mãe era apaixonada pela vida.

“Fica a alegria dela de ter realizado o sonho dela. Quero essa foto aqui porque ela queria ser uma pessoa alegre e sempre quero lembrar dela com esse rosto feliz”, finaliza.

Sobre a falta de EPIs, a Sesacre nega e diz que foram distribuídos a todos os servidores, sem distinção.

G1

COLUNISTAS

128 POSTS0 COMENTÁRIOS
38 POSTS0 COMENTÁRIOS
4 POSTS0 COMENTÁRIOS
2 POSTS0 COMENTÁRIOS
- Advertisement -spot_img