quinta-feira, outubro 21, 2021
32.3 C
Rio Branco
quinta-feira 21 outubro 2021

“Só quando o vírus chega à família de alguém as pessoas tomam consciência”, diz Gladson

POR

O governador Gladson Cameli foi entrevistado ao vivo por mais de uma hora pelo jornalista Antônio Muniz, na TV Rio Branco, nesta quinta-feira, 7. Durante a conversa, ele deixou claro que medidas mais rígidas de isolamento social poderão ser tomadas se a população não colaborar. Gladson não descartou a possibilidade de decretar lockdown para conter a pandemia da Covid-19 no Acre.

“Se não ajudarem teremos que decretar o fecha tudo (lockdown). Vou fazer tudo que estiver ao meu alcance e tomar as medidas necessárias para não colocar a população em risco. Temos que evitar que essa pandemia exploda. Já temos mais de mil casos de contaminação e não conseguiremos barrar esse crescimento se a população não ajudar. Não estou medindo esforços na saúde pública para que os acreanos não sejam prejudicados. Na hora de tomar decisões tenho ouvido especialistas em saúde, principalmente, os infectologistas. Mas ainda existem aqueles que defendem o isolamento e tem aqueles contra. Parece que só quando infelizmente os casos chegam à família de alguém as pessoas tomam consciência da situação”, declarou o governador.

Cameli destacou ainda que esteve em Manaus e comprovou a situação dramática vivida no Amazonas. “Não vou permitir que o mesmo aconteça no Acre, custe o que custar”, afirmou. E depois salientou que tem recebido apoio incondicional no combate à pandemia das principais entidades públicas que atuam no Estado como a Ufac, o MPE, o Tribunal de Justiça, a Assembleia Legislativa e a Prefeitura de Rio Branco.

Quando Muniz afirmou que a Associação Comercial da Capital (Acisa) reivindica a reabertura do comércio, Gladson foi incisivo:

“Vou cuidar da saúde da população. Essa Pandemia fez grandes estragos nas principais nações do mundo que estão de joelhos. Não adianta ter o direito de ir e vir, abrir o comércio, se não tiver vida e saúde. Não quero chegar no momento em que teremos que decidir quem vai ou quem fica. Eu sou democrata e ouço todos os setores da sociedade, mas não adianta vir com pressão porque não sou irresponsável. Se nós não tivéssemos feito o fechamento em março a situação poderia estar pior. Tivemos o primeiro caso de infectado pelo coronavírus antes do Amazonas e veja a diferença da situação entre os dois estados. O momento é para estarmos todos unidos com o intuito de salvar vidas”, disse ele.

Transparência nos gastos

Indagado sobre o uso de recursos públicos durante a pandemia, o governador salientou a transparência das verbas aplicadas na Saúde. E mais uma vez reafirmou que não trabalha com a possibilidade de atrasar os salários do funcionalismo estadual.

“Se eu não tivesse feito cortes e reorganizado a economia do Estado quando assumi o Governo, estaríamos atrasando salários. Nossa preocupação é também com a transparência de como está sendo investido cada centavo que nos chega de recursos para aplicação na saúde. Os preços dos equipamentos hospitalares aumentaram e querem que paguem à vista. Mesmo assim, hoje estamos realizando a transferência dos pacientes com Covid-19 para o Hospital de Traumatologia (Into) com 11 UTIs disponíveis e mais 40 leitos. Em breve entregaremos mais 11 UTIs. Trabalhamos com a pandemia antevendo sempre a pior situação para fazermos o nosso planejamento. Já avisei toda a rede hospitalar particular que poderemos usar essa estrutura. Acredito que vamos vencer a pandemia”, destacou Gladson.

Não é hora de política

Durante a entrevista ao RB Notícias os telespectadores enviaram quase 500 perguntas que, obviamente, não tiveram tempo de serem todas respondidas. Mas, entre elas, Gladson Cameli afirmou que está criando o Instituto de Saúde do Estado para resolver a situação dos profissionais do Pró-Saúde. Também disse que irá convocar parte dos aprovados no concurso da Polícia Civil e pagará a titulação dos policiais militares.

Quanto aos debates políticos, Gladson destacou que não é hora de pensar nisso. “Só posso dizer que já defini o meu adversário político que é o coronavírus. Como vou falar de política? Nem sei se vai ter eleições este ano. Teremos dificuldade financeira no pós-pandemia. Estão vindo recursos do governo federal para nos ajudar. Esperamos fazer muito com o pouco que temos”, afirmou respondendo aos telespectadores.

Questão escolar

Outra questão levantada pela assistência do programa foi em relação ao funcionamento das escolas estaduais e o risco do ano letivo não ser concluído. O governador minimizou essa possibilidade com a busca de soluções alternativas.

“Estamos criando mecanismos de aulas por vídeo através da TV Aldeia. A previsão de aulas presenciais é que podem começar no segundo semestre. Mas o momento requer o sentimento de renúncia por parte de todos. Os alunos terão um planejamento que está sendo feito pela Secretaria de Educação para que não percam o ano letivo”, explicou o Gladson.

Contratações na saúde

Um outro ponto abordado pelos telespectadores foi sobre possíveis novas contratações para a saúde. Gladson agradeceu os esforços dos deputados federais Alan Rick e Perpétua Almeida para que o Estado possa contratar médicos acreanos formados no exterior. Também adiantou que com a construção dos hospitais de campanha outros profissionais de saúde como enfermeiros e técnicos poderão ser chamados.

Secom

COLUNISTAS

128 POSTS0 COMENTÁRIOS
38 POSTS0 COMENTÁRIOS
4 POSTS0 COMENTÁRIOS
2 POSTS0 COMENTÁRIOS
- Advertisement -spot_img